Dez reportagens de capa e um prêmio de melhor do ano de 2015

Em 1 ano e 15 dias de Vejinha a autora deste blog produziu 10 matérias de capa, outras dezenas de textos e ganhou um prêmio de melhor reportagem do ano de 2015.

Veja São Paulo Aniversário

O mercado do jornalismo está em profunda mutação, mas o que nunca deve mudar é a nossa formidável responsabilidade social, a luta diária p/ trazermos temas relevantes que impulsionem transformações. Faz parte dessa batalha, às vezes intensa e dramática, sair em busca de provar que aquela pauta vale, insistir. Às vezes, os obstáculos são tantos que desistir parece uma saída tão fácil, mas aí você pensa: se eu não lutar por essa história quem é que vai?

Uma vez uma senhora de 60 anos me ligou na redação agradecendo aos prantos a reportagem sobre a transexualidade em crianças e adolescentes e disse que aquilo havia mudado a sua vida. A família não sabia o que fazer com o neto de 9 anos, que escondia de todos. Choramos juntas ao telefone. Em outra precisou-se de uma história como a da Loemy, que virou um símbolo da luta contra as drogas, para que a cracolândia fosse vista de outra forma pelo público comum. E, numa nova oportunidade, voltamos a discutir as políticas públicas sobre o tema drogas em outra reportagem de capa sobre o programa do governo municipal chamado Braços Abertos..

Para complementar a trajetória, abaixo a última capa do ano em que trabalhei.

Ele já fez mais de 600 abortos: a incrível rotina do obstetra Jefferson Drezett, médico do hospital paulistano Pérola Byington, campeão no país em interrupções de gravidez previstas em lei em vítimas de violência sexual.

Entre os casos retratados estão da empregada doméstica Alessandra, 32, da boliviana Paloma, 19, e da adolescente Maria de apenas 14 anos: a primeira estuprada por um homem armado quando saía do trabalho, a segunda levada para dentro de um carro com dois brasileiros no Brás, a terceira violentada pelo próprio padrasto quando a mãe saía para trabalhar. As três ficaram grávidas de seus agressores.

Veja São Paulo O obstetra Jefferson Drezett 600 abortos

Há três anos, quando lancei meu livro “London Calling – Histórias de Brasileiros em Londres” (Giostri/2012) no ano seguinte a minha formatura, escrevi na orelha que a “curiosidade, persistência e inconformidade” me levaram a realização daquele trabalho e são essas características que continuam mantendo a profissão acesa dentro de mim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s