Há 10 anos o mineiro Jean Charles era morto pela polícia de Londres

Foto: Juliana Farias

Dona Maria Otoni, mãe de Jean Charles de Menezes. Foto por Juliana Farias (Julho/2011)

No dia 22 de julho de 2005, o motoboy Alex Pereira estava em uma escola de inglês em Londres quando a professora ligou a televisão e o noticiário dizia: “Homem-bomba é morto na estação de Stockwell”.

Ele e a família só foram avisados quase 30 horas depois que tratava-se do primo, o mineiro Jean Charles de Menezes, de 27 anos, morto pela polícia com 7 tiros na cabeça e 1 no ombro. Ninguém foi responsabilizado pelo crime. Ele e os familiares foram levados para um hotel em Kingston, onde os telefones foram desligados e eles ficaram sob vigilância.

Em 2011 eu desembarcava em Gonzaga, interior de Minas, para contar a história dos primos para o livro London Calling – Histórias de Brasileiros em Londres, publicado no ano seguinte.

Cheguei na cidade e a placa dizia: “Aqui, priorizamos a vida. Terra de Jean Charles, vítima do terrorismo em Londres”. Acima, na foto de Juliana Farias, a mãe de Jean, dona Maria.

Chamo-me Carolina, farei 20 anos e seu livro mudou a minha vida

London Calling - histórias de brasileiros em Londres

London Calling – histórias de brasileiros em Londres

Recebi o e-mail abaixo em fevereiro de 2014 referente a experiência de uma leitora com o meu livro sobre brasileiros em Londres, mas só agora resolvi compartilhá-lo. O e-mail me veio à tona com a ativação deste blog (estava oculto desde o final de março), pois demonstra como o nosso trabalho, de escritor de jornalista, pode interferir tão intensamente na vida de alguém. É a prova mais especial de que alcancei o objetivo da publicação.

Me chamo Carolina (troquei o nome para evitar qualquer identificação a ela), farei 20 anos em março e seu livro acaba de mudar a minha vida. Ainda não terminei de lê-lo, têm dois dias que comecei e estou devorando-o.

Faço letras numa Universidade Federal do Rio de Janeiro e só agora consegui enxergar o quanto minha vida estava caminhando para o abismo. Sentia um profundo vazio, uma tristeza profunda. Minha vida não tinha sentido algum.
 
Tive uma infância difícil, vários problemas com meu pai. Nunca superei. Há alguns meses, fui vítima de estupro; o que só agravou ainda mais meu estado emocional.
 
Resolvi sair do Brasil, vou fazer mais dois semestres na faculdade e ano que vem, vou para a Inglaterra. Obrigada, Adriana. Obrigada mesmo. Obrigada pelo impulso, pelo auxílio e pela injeção de coragem.
 
Obrigada por ter escrito o livro. Agradeça à Sandra e aos gêmeos, e ao Rômulo (que é até onde li até agora) por mim também (esses são alguns dos personagens reais do livro). E sinta-se ternamente abraçada.
 
Espero que leia esse e-mail e que saiba que você, com suas experiências, mudou a vida de alguém. Gratidão eterna

Respondi ao e-mail da Carolina, mas nunca obtive retorno.

Vídeo da entrevista exibida na TV Cultura sobre ‘London Calling’

No último sábado (8), o programa 360 da TV Cultura exibiu uma entrevista comigo a respeito do “London Calling – histórias de brasileiros em Londres”, livro que lancei no Teatro Augusta e na 22ª Bienal de São Paulo em agosto deste ano.

ENTREVISTA TV CULTURA 1.3

Dos quase 30 minutos de entrevista, a equipe da TV PUC, que realizou a reportagem, soube condensar bem o tópicos mais importantes. Acho que vale destacar um ponto que é sempre o gancho da conversa de estudantes de Jornalismo que me procuram via e-mail e facebook: o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso).

Como não deixar ele engavetado depois que você recebe o diploma? O fato é que fazendo um tema verdadeiro e instigante –não apenas para os outros, mas principalmente para você– vai te levar a encontrar meios de tirá-lo do acadêmico e transformá-lo em profissional, mesmo nadando contra a maré.

O vídeo já está disponível no meu youtube channel:

E aí o que acharam?

Entrevista no programa 360 da TV Cultura

Dei uma entrevista bem bacana sobre o meu livro à equipe da TV PUC na 22ª Bienal do Livro de São Paulo, que aconteceu em agosto.

A reportagem mandou a entrevista para o programa Cultura 360, da TV Cultura. O pgm é uma parceria entre a Fundação Padre Anchieta e a Associação Brasileira de Televisão Universitária.

Uma equipe de curadoria faz a escolha dos vídeos que serão exibidos na TV Cultura e… o meu foi escolhido! Eba! A entrevista vai ser exibida amanhã (8), às 7h30!

Fiquei sabendo da notícia e fiquei super feliz. Eles escolheram minha entrevista sem saber que eu sou funcionária da emissora. Achei que se descobrissem poderia inviabilizar a exibição na TV, mas a equipe disse que isso não iria interferir e ficaram felizes de saber que eu fazia parte da equipe do Jornalismo \o/

ENTREVISTA TV CULTURA 2

Espero que consigam me assistir na TV Cultura! 7h30 de um sábado é complicado, mas vale a intenção. Depois me digam o que acharam da entrevista!

Meu primeiro livro!

Livro traz o relato de histórias que vão além do luxo e do glamour da Terra da Rainha

Desde adolescente, quando eu estudava sobre as lutas medievais e andava com camisetas de banda, raras vezes eu lia um livro de história ou escutava os Rolling Stones sem sentir o desejo de estar no palco onde tudo começou. Alguns anos depois, lá estava eu de malas prontas e ao som de Wild Horses a caminho da Europa.

Foram meses na terra fundada pelos romanos às margens do rio Tâmisa: antes, Londinium; hoje, Londres. Além de outros quinze dias “mochilando” pelo cenário deslumbrante da Cidade Luz, por entre castelos tenebrosos, ruas sem pudores, construções góticas e perdendo a respiração diante de obras como as de Michelangelo e Leonardo da Vinci.

Desembarquei em Londres na época em que o sol era uma raridade e o céu escurecia às quatro e meia da tarde. O colega mulçumano, a amiga chilena, o professor indiano, a família polonesa, a dançarina turca, o punk inglês, o refugiado sudanês, o clima extremamente frio, com nevadas, o som vindo dos pubs, o chá com leite, a cerveja quente e os parques vistosos insistiam em me dizer que eu não estava no Brasil, mas diante de uma nova realidade multicultural, social, econômica e política.

O choque foi tão grande que me levou, desesperadamente, a compartilhar experiências boas e ruins com um grupo de estudantes brasileiros que conheci durante o curso de inglês. Eu queria desabafar. Quando me dei conta, já não via mais Londres pela temática luxuosa e glamourosa das cores vermelha e azul, eu enxergava na bandeira inglesa a imponência do verde e amarelo que não era vista a olho nu.

Passei a conhecer brasileiros de todos os cantos do país. O que mais me fascinava era descobrir os motivos e os sonhos que levavam essas pessoas a deixarem o sol, as praias e o calor humano do Brasil para recomeçar a vida em terras frias, sozinhos, dividindo apartamentos apertados, trabalhando em “subempregos” e sobrevivendo do jeito que dava.

Da mesma forma, enchia-me os olhos as conversas de jovens brasileiros que não queriam ficar reféns de um mês de férias por ano no Brasil e, assim, metiam o pé na estrada e viravam cidadãos do mundo. Também me tirava o fôlego as experiências do músico e jornalista Kid Vinil com o punk inglês do The Clash e do Sex Pistols no fim dos anos 1970.

Foi a partir desses e outros relatos inspiradores que surgiu a ideia deste livro. São histórias de vida que continuam até hoje na Terra da Rainha, outras que duraram um mês, três meses, dez anos e, inclusive, uma que terminou em tragédia: a morte do mineiro Jean Charles de Menezes no metrô de Londres.

Eu procurava ingleses; encontrei brasileiros.

O lançamento de “London Calling – Histórias de brasileiros em Londres” será no dia 04/08, às 16h 30, no Teatro Augusta. Rua Augusta, 943 – São Paulo SP.  
Todos àqueles que sonham em experimentar a vida lá fora ou que já tiveram essa importante experiência estão convidados! Continuar lendo