Vagas na Globo, UOL, Terra, ESPN, Itaú Cultural e Abril

Para jornalistas que estão em busca de recolocação no mercado ou para estudantes à procura de estágios: há 20 vagas para as mais diversas áreas, como redação, comunicação interna e assessoria de imprensa.

Como algumas das vagas abaixo foram repassadas exclusivamente para o meu e-mail, peço a gentileza de não copiarem e colarem este post em blogs alheios. Boa sorte! =)

Todos os posts relacionados a empregos estão agrupados na categoria “Vagas”, no canto direito da página inicial do blog.

  • Estágio em jornalismo/comunicação social em SP

– Grupo Abril / – 01 vaga para estudante cursando jornalismo a partir do 2º semestre. Benefícios: seguro de vida, alimentação e auxílio transporte. Cadastrar currículo.

Grupo Estado – 01 vaga para estudantes de qualquer período. Candidato fará apoio na produção de textos, apuração, atualização da home page entre outros. Vaga aberta em 14/05. Cadastrar currículo.

Revista Yes!Teen 01 vaga para estudantes de qualquer período. Candidato irá atuar no site da revista com a cobertura de temas como moda, beleza e celebridades jovens. É fundamental ter conhecimentos gerais e gostar de escrever sobre famosos e fofocas. Bolsa-auxílio de R$ 900 e VT. Enviar currículo para contato@yesteen.com.br.

– ESPN – 01 vaga para estudante com formação prevista em dezembro de 2014 a junho de 2015. Atuar na redação do site de esportes de ação e aventura da ESPN (http://www.xgames.com.br/); manutenção de notícias diariamente no portal; produção de matérias especiais para o núcleo. Candidato deve ter inglês avançado. Conhecimentos básicos de Photoshop e Final Cut serão um direfencial, assim como ter interesse nos esportes da editoria, tais como: skate, surf, BMX, motocross, entre outros. Cadastrar currículo até o dia 27/06;

Editora Escala (revista, segmento moda e decoração) – 01 vaga para estudantes de jornalismo cursando o 3º ano. Desejável experiência em redação e interesse pelas áreas de moda e decoração. Atividades: sugestão de pautas, produção de notas e pequenas reportagens, cuidar de redes sociais e pesquisar novidades com assessorias de imprensa. Bolsa-auxílio de R$ 800, VT, restaurante no local, assistência odontológica, e vale-alimentação. Enviar currículo para thais.bagatim@escala.com.br.

Itaú Cultural – 01 vaga de estágio em audiovisual e literatura cursando jornalismo, rádio e TV ou relações públicas. Atividades: produção executiva de eventos, ações e produtos do núcleo; pesquisa de pautas e assuntos para eventuais programas da área; decupagem, copiagem e arquivo de fitas, além de redação de textos diversos. Cadastrar currículo até dia 28/06.

– Mobly (empresa de e-commerce no segmento de móveis, decoração e acessórios para a casa) – 01 vaga em produção de texto para estudantes de jornalismo, relações públicas ou letras cursando a partir do 6º semestre. Enviar currículo para gente@mobly.com.br.

  • Jornalistas (SP e RJ)

Rede Globo / Editor de Imagem (RJ) – não há especificações se precisa ser radialista ou jornalista e será aceita inscrição do candidato que estiver no último ano da graduação. Profissional será responsável pelo processo de organização, revisão, seleção e montagem da imagem e do som capturados durante a produção. Saber editar em Avid será um diferencial. Cadastrar currículo.

Terra / Editor sênior – Jornalista com espanhol fluente para produção de conteúdos em texto e multimídia no idioma e com o mínimo de 3 anos de experiência na função. Caso seja profissional estrangeiro deve ter fluência em português. Vaga aberta no dia 09/05. Cadastrar currículo.

UOL / 02 vagas de Analista de Parcerias Júnior – Candidato pode ser formado em comunicação social ou estar cursando. Experiência em edição de reportagem e/ou assessoria de comunicação; disponibilidade para estabelecer relacionamento com clientes externos e internos; desejável conhecimento do Manual de Redação da Folha de S.Paulo; experiência em leitura de métricas de audiência; conhecimento de ações e mecânicas em redes sociais; conhecimento em arquitetura de informação. Atividades: apresentar soluções para aumentar a audiência dos parceiros; intermediar o contato entre parceiros e equipe de conteúdo do UOL; acompanhar a produção editorial dos sites parceiros; fazer levantamentos e apresentações. Cadastrar currículo.

– Grupo Abril / Repórter I – exclusivamente para deficientes físicos; candidato irá atuar nas edições da home do portal e de especiais agregando conteúdo das marcas Abril; atualização de redes sociais e na sugestão de pautas. Requisitos: inglês intermediário; vivência no mercado editorial on-line; e nível intermediário no pacote Office. Local de trabalho em Pinheiros. (Vaga antiga, mas que ainda não foi preenchida. Cadastrar currículo.)

 Fundação Estudar / Jornalista – A empresa está desenvolvendo um portal de conteúdo de carreira para jovens universitários e recém-formados. O jornalista deverá participar ativamente de um projeto de definição de linha editorial e, em seguida, assumir uma produção de conteúdo em diferentes formatos. Profissional deve ser formado em jornalismo há pelos menos três anos; ter inglês fluente; experiência intermediária em filmagem e edição de vídeos e conhecimento básico em mídias sociais. Atividades: pesquisa de modelos interessantes de conteúdo no Brasil e no exterior e participação na elaboração de propostas de seções e linha editorial; sugestão semanal de pautas; produção de conteúdo: textos, vídeos e redes sociais e desenvolvimento de fontes em diferente setores de atuação. Faixa salarial: de R$3.500 a R$4.000, além de benefícios. Enviar currículo para cv@estudar.org.br.

Jornal TodoDia (Americana-SP) / Editor – Jornalista com experiência em fechamento de jornal impresso. Enviar currículos no corpo do e-mail para george@tododia.com.br.

Academia de Filmes / Coordenador de Comunicação – Experiência em assessoria de imprensa, inglês intermediário, comunicação interna, manutenção de sites e redes sociais e atividades de marketing em geral. Diferencial será vivência em mercado audiovisual ou agência. Enviar currículo para comunicacao@inkbr.com.

– Tema Assessoria de Comunicação / Assessora de Comunicação – Experiência em assessoria de imprensa; inglês fluente; sexo feminino e ter entre 21 a 30 anos. Empresa atua nas áreas de moda, beleza, gastronomia, cultura e mercado de luxo. Início imediato. Enviar currículo para silvana@temaassessoria.com.br.

 Imagem Corporativa / Analista de Comunicação Pleno – Experiência em assessoria de imprensa, inglês fluente, experiência em empresas de saúde será um diferencial. Atividades: produção de textos (releases, avisos de pauta, papers, análises), follow up com jornalistas e produção de relatórios. Benefícios: VT, VR, assist. médica e seguro de vida. Enviar currículo com pretensão salarial para rh@imagemcorporativa.com.br.

Ibacana / Redator Júnior – Jornalista para desenvolver textos criativos com informações consistentes e interessantes sobre os produtos da empresa. Irá atuar também com revisões e desenvolvimentos de textos. Conhecimento em e-commerce será um diferencial. Enviar currículo para irlene@ibacana.com.br.

– NR-7 Comunicação / Executivo de conta – Jornalista ou relações públicas irá atuar no núcleo de contas internacionais. É imprescindível ter experiência de, no mínimo, cinco anos na área e falar inglês fluente (toda comunicação com a interface é em inglês). Ter atendido clientes nas áreas de tecnologia, lifestyle e startups é um diferencial. Enviar currículo com pretensão salarial para polyana@nr-7comunicacao.com.br.

Sua Franquia / Analista pleno de mídias sociais – Atualização diária do portal da empresa; redação de notícias e seleção de matérias de interesse do mercado; redação e inserção de artigos, dicas e releases no portal; atualização diária das mídias sociais – foco em interação e engajamento com a marca e redação jornalística para o jornal impresso Sua Franquia; analise dos conteúdos do Jornal e acompanhamento bimestral do fechamento de pautas. Cadastrar currículo até o dia 28/06.

* Quem precisar de dicas sobre formulação de currículo para as vagas voltadas para redação e televisão é só encaminhar uma mensagem neste post ou um inbox no facebook. Boa sorte! =)

Anúncios

2ª parte da entrevista sobre “London Calling” no blog do jornalista do UOL

Na segunda-feira (5), publiquei aqui no meonthestreet a primeira parte da entrevista que dei ao jornalista do UOL Rodrigo Borges Delfim sobre o meu livro, “London Calling – histórias de brasileiros em Londres”, lançado em agosto na 22ª Bienal do Livro.

Abaixo, segue um trecho da segunda parte da entrevista que saiu no blog do jornalista, o MigraMundo. Nessa parte discutimos sobre o capítulo em que trato das histórias de Jean Charles de Menezes, o mineiro morto pela polícia britânica no metrô de Londres em 2005, e de seu primo Alex Pereira:

Como foi para você levantar a história da família do Jean Charles? O que você sentiu, de onde veio a ideia de inclui-la no livro?
Quando você fala da vida de brasileiros em Londres é impossível não lembrar do mineiro que foi morto no metrô de Londres, por isso eu já pensava em incluir essa história assim que tive a ideia do projeto. Fiz uma pesquisa nos principais veículos brasileiros e internacionais que cobriram a história e também li um livro a respeito da vida de Jean Charles. No meio do percurso, explodiu na mídia aquele escândalo de grampos telefônicos do News of The World, tabloide do empresário Rupert Murdoch. Uma das pessoas que haviam sido grampeadas foi justamente o Alex Pereira, primo de Jean Charles. A partir daí passei a focar minha pesquisa nele. O que eu encontrava sobre o Alex na mídia brasileira era um pouco superficial, mas o suficiente para saber que ele tinha muita história para contar e ninguém soube explorar isso. Na época, a mídia estava na loucura para ter o caso do Jean e se esqueceram do Alex, que foi um homem muito importante e peça fundamental nessa história toda. Viajei à cidade de Gonzaga (MG) para contar muito mais do que a história do Jean, mas sim a do próprio Alex, que lutou contra gigantes para provar a inocência do primo.

Após o caso Jean Charles, você acha que algo mudou na Inglaterra depois disso, seja para os ingleses, seja para os imigrantes que lá vivem?
Depois da morte do Jean acredito que nada mudou no Brasil, apenas ganhamos um filme sobre o assunto e muita mídia na época. Já na Inglaterra, apesar de nenhum policial ter sido culpado pelo crime, eles se sentem envergonhados e a comunidade brasileira não deixa esquecer o que aconteceu ao manter o altar para o mineiro em frente a estação de Stockwell, onde ele foi assassinado. O que aconteceu com Jean Charles foi parte do arbítrio policial e repressivo que tomou conta das forças policiais no mundo inteiro após o 11 de Setembro. Além disso, Jean também teve o azar de ser pobre e imigrante, condições que o tornaram especialmente vulnerável na era atual.

(Leia a entrevista completa no blog MigraMundo)

Entrevista sobre “London Calling” no blog do jornalista do UOL

Nesta semana dei uma entrevista super bacana ao jornalista do portal UOL Rodrigo Borges Delfim. A primeira parte do nosso bate-papo foi publicada no novíssimo blog do jornalista, o MigraMundo, que aborda temas ligados a migração, dentro ou fora do Brasil.

Conversamos sobre o meu primeiro livro “London Calling – histórias de brasileiros em Londres” que lancei no mês de agosto deste ano no Teatro Augusta e na 22ª Bienal Internacional do Livro.

Reproduzo aqui um trecho do post do Rodrigo:

De onde veio a ideia de transformar a experiência na Terra da Rainha em TCC e, depois, em livro? O que te inspirou?
A viagem para Londres foi a minha primeira experiência internacional, então fui com dois olhares, o de jornalista e o de criança, puro e sempre de olho em tudo sem deixar escapar nada. Lá, eu passei a conviver com muitos estrangeiros, mas as histórias dos brasileiros que moravam lá me fascinavam e me horrorizavam também. Cheguei no Brasil completamente transformada e inspirada por essa experiência. A princípio, o meu TCC seria em dupla e com outro tema, mas numa certa noite eu comecei a ler o livro “Da Rosa ao Pó”, do jornalista Gustavo Silva, sobre as histórias que ele descobriu do pós-genocídio na Bósnia. E percebi que o que eu vivi em Londres com os brasileiros que eu encontrei poderia virar o meu TCC, em formato de livro. Eram 4h da manhã quando levantei da cama e mandei um e-mail para o meu orientador perguntando se ele concordava com a ideia de mudar de tema aos 45 minutos do segundo tempo. Com a resposta afirmativa dele eu não tive dúvidas, desmanchei a minha dupla e parti para a empreitada. Uma vez escutei de um grande jornalista que a nossa profissão deve exercer a humanidade, ou seja, o repórter deve estar disposto a sair da sua zona de conforto e enfrentar as adversidades, ouvir o outro, o inusitado e o diferente. Juntei isso com a minha admiração pelo New Journalism, que é a junção da narrativa jornalística com a literatura, e entrei no calor psicológico dos meus personagens.

O que mudou no decorrer do TCC e no percurso até a obra chegar às livrarias?
O Ziraldo, pai do menino maluquinho, disse uma vez que você nunca será um grande escritor se não for ambicioso e corajoso. Isso é uma grande verdade. Comecei o meu TCC já com a intenção de que ele poderia virar um livro comerciável. É claro que algumas coisas foram me decepcionando no meio do caminho, como alguns bons personagens que não queriam participar, conciliar o trabalho com a produção do TCC, problemas técnicos com ele, entre outros. Mas eu estava muito confiante e apaixonada pelo tema, que eu havia vivenciado. E por que não lançar um livro de brasileiros em Londres, que é uma cidade tão impregnada no imaginário popular?

Aproveitando uma pergunta que você fez aos entrevistados para o livro: Para você o que Londres é e o que Londres não é?
Para mim Londres é vida! É a possibilidade de você conhecer o mundo todo em apenas um lugar onde a diversidade cultural impera. Poxa, é o país do punk que questionou a pompa da sociedade britânica, quebrou paradigmas e trouxe uma nova forma de encarar a música, como peça chave para entender as angústias do povo. E para mim Londres não é um país onde as coisas caem do céu, onde tudo é maravilhoso e nada dá errado. Aquele famoso ônibus vermelho de dois andares pode estar impregnado de preconceito e xenofobia.

O que você sentiu ao voltar para o Brasil? Houve algum tipo de choque?
Sim! Fiquei menos de um semestre, infelizmente. Quando voltei foi inevitável fazer as comparações sobre a nossa mobilidade urbana e a deles, o hábito dos ingleses de ler no metrô, mas foi muito bom ter voltado e ter aprendido a dar mais valor para a nossa cidade e o que está ao nosso redor. Uma coisa muito legal é que alguns dos personagens do meu livro que voltaram ao Brasil souberam disseminar e contagiar os colegas de trabalho, família e amigos com as experiências que tiveram em Londres. Muitos deles estão hoje ajudando a construir uma cidade melhor a partir do que aprenderam lá fora. Isso teria valido um capítulo extra ao meu livro, mas não deu.

Que tipo de retorno você tem recebido do livro London Calling, seja por parte dos leitores, seja em relação aos personagens?
Muitas pessoas leram o livro em 2 dias! O retorno têm sido muito positivo e, para falar a verdade, emocionante! Quando um leitor me escreve dizendo que o livro o inspirou a ter uma vida mais criativa e engajada eu fico muito contente, porque a intenção era essa mesma. Tirar as pessoas do comodismo e mostrar que existe um mundo lá fora a espera delas e que não é impossível sair do país; ou mesmo sair de São Paulo e ir conhecer a zona leste, ou até ir ver aquele museu que fica do lado da sua casa.

Você saberia traçar um “antes e depois” de si própria, sobre como você era antes da sua experiência em Londres e como voltou da viagem?
A conclusão do livro é exatamente o antes e o depois não só de mim, mas de todos os personagens da obra. Londres me ajudou a enxergar um outro Brasil. A busca de experiências autênticas foi um compromisso que me transformou irreversivelmente e fez surgir uma nova versão de mim mesma. Parei de ler as histórias dos outros e fui trilhar a minha própria.

(Leia a entrevista completa no blog MigraMundo)